HISTORINHA DO LOBO

agosto 8, 2017 por Lobo de Ceroulas - Nenhum comentário

Sempre que eu via a aflição de uma amiga – mãe diante da proximidade do término da licença maternidade com suas milhões de perguntas sem respostas e a grande insegurança que paira em torno da dupla mãe – filho, era nestes momentos eu pensava que queria escrever algo que pudesse ajuda-la a olhar esta transição com um pouco mais de tranquilidade e, se possível, um sorriso de canto…E ainda, que as crianças pudessem ouvir e se divertir!

Foi lendo Winnicott durante a escrita de um trabalho que percebi que tal momento havia chegado! Isso porque me encantei com o psicanalista que trabalhou com milhares de mães e suas crianças e escreveu livros para as mesmas de uma forma que eu, até então, desconhecia. Parte da obra de Winnicott é destinada aos pais, com o objetivo de esclarecer o mundo da criança e a maneira que a mesma enxerga e vivencia o mesmo. A escrita do autor se assemelha a um carinho, tal é a maneira delicada que ele se dirige à mãe…

Foi assim que nasceu o texto:

 

PARA ONDE AS MAMÃES VÃO QUANDO DESAPARECEM?

 

Na maior parte das vezes, não vão a lugares muito distantes…estão por perto…

Podem simplesmente estar no banheiro fazendo cocô ou tomando um banho quentinho…

Pode acontecer, é claro, de estarem falando ao telefone debaixo da cama ou capturando laranjas que se escondem embaixo dos armários…

Vocês podem pensar que elas estão:

Brincando de voar com as roupas do varal…

Subindo para o céu com a fumaça da panela…

Dançando no lugar da bailarina da caixinha de música…

Indo ao mercado montada no cachorro ou no carrinho do neném…

Dirigindo o carro dos bombeiros…

Algumas, no entanto, vão um pouco mais longe: saem para correr uma maratona ou para voar em grandes aviões; ou brincar de casinha em outra casa; ou brincar de esconde – esconde com muitos livros; algumas brincam de mamãe e filhinho com os filhos de outras pessoas; outras contam muitas historinhas…

Enquanto vocês estão pensando para onde as mamães vão, elas estão pensando em vocês, com o coração inquieto feito asa de colibri…

Mas mesmo de longe, elas podem estar bem pertinho. E esse é o segredo de todas as mamães!

Elas estão pertinho quando vocês dormem um soninho gostoso e sonham com um peito gigante, cheio de leite; ou quando vocês brincam com as fitinhas coloridas no seu berço; ou quando vocês se enroscam na manta quentinha; ou quando abraçam um travesseirinho ou seguram a fraldinha amarrada na chupeta…

Algumas mamães vão chegar rapidinho. Outras vão subir para o céu feito nuvens. Tem aquelas que demoram um bocadinho para chegar e aquelas que vem flutuando feito bolinhas de sabão…

Mas todas as mamães, e quando digo todas, estou falando de todas as mamães que existem em todos os mundos: as que chegam rápido ou não, as que viraram nuvens, as que brincam com pedrinhas, de casinha, de esconde – esconde e de todas as brincadeiras que vocês puderem imaginar, as que passeiam em cachorros e dirigem carros de bombeiros, ou voam com as roupas do varal ou agarradas na rabiola de uma pipa…

Todas estão, neste momento, correndo com o coração cheio de saudades!

Saudade de quem?

Do seu neném…

 

Gostou da Historinha? Ilustre com a criançada e mostra pra gente?

Um beijo da Munyke